0

GFH - Grande Fraternidade Humana da Terra 

O 3º Aniversário desta Entidade Espiritual



Saudações da Luz,

“No Universo,

Somos todos aprendizes,
Somos todos curadores,
Somos todos instrutores,
Enfim... somos todos irmãos!”

(Pai Micah, ditado para a GFH
através do canal Renata Zimmermann em 25/04/2017)


É com muita alegria que nesta data, 25/04/2018, posso olhar a longa jornada realizada até que a Grande Fraternidade Humana da Terra (GFH) se tornasse uma realidade dentro da nossa terceira dimensão física, manifestada e consagrada dentro dos rituais que regem a Ordem Divina.

Foram três anos de realizações no plano espiritual desde a sua fundação em 25 de abril do ano de 2015. E a Grande Missão tomou um rumo totalmente inesperado e surpreendente para todos nós que na época integrávamos os grupos de estudos e atividades da GM.

Em momento algum foi possível vislumbrar o que estava reservado por trás da criação e fundação de uma entidade espiritual que passou a representar a raça humana terrestre diante de todos os conselhos siderais, partícipe de todas as reuniões que envolviam diretamente a própria raça humana não somente deste orbe terrestre, mas em todas as instâncias e galáxias onde um membro da raça humana estava presente.

A GFH participou diretamente de grandes combates entre o CAD (Comando Águia Dourada) e o Comando da Treva criado para fazer frente e impedir as atividades da Grande Missão (GM) desenvolvida por nós para a realização do Plano Divino na Terra.

Foi também nas operações de resgate do CAD que foram descobertos os laboratórios alienígenas negativos que usavam a raça humana como cobaia em suas experiências, nos quais o CAD desvendou a criação de uma raça híbrida a partir de experiências realizadas com seres humanos e desde então, passamos a receber declarações de guerra por parte das alianças formadas por três forças alienígenas negativas – draconianos, reptilianos e anunnakis – que tentaram de todas as formas impedir e destruir as ações da GM e do CAD.

Os casos se estenderam a níveis que poucas consciências encarnadas seriam capazes de compreender o alcance e a dimensão destas descobertas e destes novos conflitos que se estabeleceram neste orbe a partir das ações militares desfechadas pelo Sinistro Governo Secreto (SGS) contra a GM e o CAD. Somente um ano depois de vários combates e batalhas que culminaram na vitória do CAD sobre os comandantes Nibirianos, foi possível a queda do SGS e o banimento de todos os membros da raça draconiana do nosso planeta.

Era deles um projeto draconiano para criar uma raça híbrida, muito parecida com zumbis, ou seja, criaram uma raça zumbi terrestre que não eram humanos e sim híbrida a partir da genética de dois grupos, dracos e humanos, depois com reptilianos e outras raças. Muitos membros da raça humana tiveram seus padrões genéticos alterados. Vários casos envolvendo este projeto draconiano estão sendo investigados e analisados pelos Conselhos siderais.

Foi a partir também da consagração da GFH que foi possível ser implantada a Regência Planetária aqui na Terra em novembro de 2016, quando os grandes julgamentos sobre a raça humana terrestre e também de outros orbes espalhadas por outras galáxias foram iniciados com o banimento de muitos grupos raciais interplanetários estacionados na Terra desde o antigo Governo Planetário de Caligasto que se aliou à Rebelião Luciferiana.

A primeira vitória do CAD que colocou a GFH em todos os Conselhos siderais para participar dos debates e julgamentos de casos de violação e quebra de acordos siderais foi com a Tríplice Aliança formada pelos Dracos, Reptilianos e Anunnakis. Talvez tenha sido este o caso mais aterrador, complexo e de contrabando de produtos genéticos envolvendo vários impérios galácticos.

Entre os impérios intergalácticos, os mais evidentes e que foram as raças que mais domínio conseguiram estabelecer neste orbe terrestre foram as Ordens dos Dragões Negros, Dragões Brancos e Dragões Vermelhos e depois, de raças altamente evoluídas com tecnologias avançadas para o padrão terrestre, como os Xopatz e toda a galáxia de Arconi.

Foram várias batalhas que ocorreram ao longo do ano de 2015 após o conflito generalizado dos comandantes militares de Nibiru que mantinham o controle sobre o processo evolucionário da raça humana, um caso de extrema escravidão e desumanidade. Por causa destas interferências alienígenas de forma negativa e também por terem alterado o projeto original do Pai Micah para a raça humana dentro da Criação, a GFH foi constantemente acionada para participar de debates, investigações e julgamentos nos Conselhos siderais.

Houve muitas batalhas e confrontos com as forças não confederadas e com os comandantes militares de outras raças que mantinham seus impérios em muitas galáxias, incluindo principalmente a Via Lactea. Nestes embates o CAD sempre atuou de forma conjunta com as tropas da Confederação Intergaláctica ou com a Força de contenção do Comando Supremo Estelar ligado diretamente ao Grande Conselho Cósmico e Universal.

A questão com o SGS somente foi resolvida agora no ano de 2018 após a rendição de líderes draconianos que haviam escapado do banimento e foram considerados rebeldes e/ou dissidentes, já que alguns mantinham vínculos com governantes encarnados que davam cobertura e proteção. A rendição foi possível através do GPT que intermediou as negociações e a retirada dos últimos draconianos do nosso orbe terrestre.

E tem sido nos últimos 3 anos que a GFH tem atuado no plano espiritual e estado presente em outros universos manifestados para representar a raça humana criada pelo Pai Micah. Persistente, diariamente a GFH estava presente em vários encontros e reuniões do Tribunal do Conselho Cármico, do Grande Conselho Cósmico e Universal e no Conclave Universal, atuando na defesa e no direito da raça humana ser respeitada e considerada parte da Criação.

A questão relacionada à raça humana cósmica e universal foi algo que nos surpreendeu muito, pois muitas das raças planetárias existentes em nossa Via Láctea e em outras galáxias que formam este Universo Local de Sananda Kumara há muitas diferenças na forma de criação de cada tipo ou ramificação de uma das raças envolvidas no processo evolucionário dentro dos projetos estabelecidos por cada império galáctico. A raça humana tem sido considerada pela maioria das raças dominantes como de nível inferior, sendo inclusive considerado como alimento para alguns grupos raciais interplanetários.

Seria o mesmo que ocorre em nosso planeta com a raça humana utilizando entidades do reino animal para alimentação e experiências genéticas, criando assim uma cadeia alimentar que se sustenta a centenas de milhares de anos. A realidade cósmica e universal ultrapassa toda e qualquer compreensão humana neste aspecto, por ser algo complexo dentro da visão expansionista e de colonização intergaláctica envolvendo milhões de orbes, centenas de raças interplanetárias e trilhões de consciências que se manifestam da 1D até a 33D em nosso Universo manifestado e interdimensional, sendo a raça humana terrestre localizado a partir da 3D do plano físico, com muito envolvimento na 2D principalmente no plano umbralino.

E sobre o Umbral não foi surpresa o que encontramos lá em todos os reinos que mergulhamos com o CAD nas operações de resgate e cura, principalmente na assistência e proteção direta à amada Gaia, nossa Mãe Terra. A questão da criação do Umbral da Terra tem a ver muito com o conhecimento de grandes mestres e engenheiros cósmicos que vieram de outro orbe em auxílio à raça humana terrestre em seus tempos primordiais. E foi um grupo de remanescentes de Erg enviados ao Umbral da Terra que atuaram na primeira guerra umbralina contra os Morgs, que haviam se tornado inimigos mortais dos Ergs e evitaram assim o domínio do mal no orbe terrestre.

A grande catástrofe ocasionada pelas explosões solares dizimaram a raça humana terrestre, os projetos draconianos de criar suas próprias espécies na superfície da Terra também sucumbiram neste evento. Toda uma herança Lemuriana desapareceu após esta tragédia e tudo teve que ser recomeçado. E foi este um dos maiores desafios realizados por Sanat Kumara de Vênus que resgatou a raça humana neste planeta após uma longa tentativa de inserir e reconstruir o átomo mental nos corpos humanos que haviam regredido ao estágio do reino animal.

Outros pontos a mencionar aqui e que serão em breve publicados em detalhes e com mais profundidade num novo livro que será lançado por mim, relaciona-se ao fato da GFH ter contribuído de forma eficaz no resgate da soberania do Pai Micah aqui na Terra, que é um orbe com uma história muito além do que já foi contado ou escrito e também que é um planeta raríssimo dentro da constituição da Criação, cujo destino final é se tornar uma estrela ou seja, um novo sol em sua etapa evolucionária posterior.

Independentemente das consequências dos desvios de condutas da raça humana terrestre e do fato do Plano Divino da Fonte ter findado, isso não vai alterar a jornada de Gaia e nem o destino grandioso do orbe terrestre que se tornou uma referência na questão da Paz Universal onde foi possível desvendar muitos dos mistérios até então considerados insolúveis, mas que com a atuação da GFH e das ações do GPT, foi possível estabelecer níveis de entendimento, cooperação e negociações sobre o destino final de várias raças que perderam seus planetas originais mas que agora receberam uma nova oportunidade em um outro orbe e prosseguem com um plano divino conduzido por seus Pais Criadores.

Através das operações do CAD foi possível recolher materiais, documentos, provas e registros que ficaram sob a sua guarda, e nos julgamentos dos conselhos siderais, todas as documentações foram entregues para análise e investigação, resultando em debates entre todos os Filhos Paradisíacos que se reuniram no Conclave Universal para solucionar os impasses gerados com o fim do Plano Divino da Fonte.

Durante a implantação da Regência Planetária na Terra em 2016, foi possível estabelecer as normas e os princípios que norteariam a vontade do Pai Micah sobre o orbe terrestre e os primeiros a se apresentarem foram os membros do CST (Conselho Supremo da Treva) que se manifestou diante do Regente Planetário e estabeleceu os novos rumos relacionados ao expurgo planetário e as ondas de migrações.

As bases do que viria a ser o GPT foi um processo de imensas negociações que também envolveu no plano espiritual, vários governantes terrestres, os generais e diversos comandantes militares, membros da elite econômica, científica e intelectual da humanidade, que em algumas ocasiões se reuniram com os membros do GPT, desta forma, muitas alianças com raças alienígenas negativas que haviam sido feitas por governantes terrestres foram encerradas e somente a raça humana foi permitida permanecer na Terra, enquanto outras raças foram ouvidas e apoiadas pelo GPT até seus retornos aos planetas originais.

Todos os casos de conflitos e dissidências foram levados para cada instância para debates e julgamentos. Os casos que envolviam contratos cármicos e as agendas encarnacionais do indíviduo humano eram da responsabilidade do Tribunal do Conselho Cármico. Os assuntos que envolviam o Plano Divino do Pai Micah, o Governo Central de Sananda Kumara neste Universo Local e os casos militares eram conduzidos pelo Grande Conselho Cósmico e Universal e, quando os casos ultrapassavam a jurisdição deste Universo Local, os debates e julgamentos ficavam a cargo do Conclave Universal que reunia todos os Filhos Paradisíacos (no caso, o Pai Micah é um destes Filhos Paradisíacos), já que os assuntos a partir desta instância relacionavam-se com a própria Criação e com a Fonte.

Quando falamos sobre os impasses gerados com o fim do Plano Divino da Fonte, a gravidade disso tudo relacionava-se às criaturas criadas pelos Filhos Paradisíacos que se tornaram também pais criadores de suas raças. A surpreendente revelação foi que neste nível intermediário da Criação, muitas raças interplanetárias foram deixadas no esquecimento e por conta própria em seu processo evolutivo. E muitas raças nem sabiam quem eram seus Pais Criadores. E foi nas ações da GFH que o Pai Micah pode atuar e intervir em muitos conflitos que envolveram estas raças alienígenas e a raça humana. Nos primeiros encontros, os atos belicosos e agressivos eram comuns gerando reações muitas vezes de conflitos e confrontos. A relação poder e força eram evidentes. Atuar dentro do sentimento do Pai Micah tem sido algo surreal, imprevisível e que gerou muitas surpresas e descobertas, pois após tomarem conhecimento da existência do Pai Micah, do Amor Crístico e da raça humana tornou possível despertar nestas raças o interesse em conhecer seus Pais Criadores e coube ao Pai Micah promover estes encontros com seus irmãos paradisíacos.

Não tem como não mencionar as emoções que surgiram nestes encontros, mesmo que muitas dessas raças fossem anticrísticas, eram reuniões de famílias, ordens e linhagens. As galáxias que mais surpreenderam foram a nossa, Via Lactea, a Galáxia de Adrômeda, e a Galáxia de Arconi que são todas vizinhas. Sendo que Arconi pertence ao Universo Anticrístico. A partir destes relacionamentos, que em muitas ocasiões geraram batalhas e combates no espaço cósmico com o CAD, ainda assim foi possível o diálogo entre membros representantes da raça humana com as lideranças de outras raças.

Era fundamental ter a visão de cada raça planetária e o conhecimento sobre a existência de um plano divino por trás de toda a Criação em cada galáxia ou sistema e constelações. O caso mais complexo foi o de Plêiades que dentre mais de 80 orbes, apenas dois se mantinham na linha crística enquanto a maioria optou pela ação anticrística. E com as ações do CAD e da GFH foi possível manter a resistência dos orbes crísticos em Plêiades.

Até as ações das Confederação dos Mundos Livres e das forças não confederadas ao interferir no orbe terrestre teve que ter uma resposta firme e eficaz do GPT, que levou todos para os julgamentos no Conclave Universal onde as divergências foram sanadas e esclarecidas. Além de muitos membros das forças não confederadas terem se aliado à Confederação Intergaláctica, foi possível também o avanço no nível de cooperação mútua que passou a ocorrer entre a Confederação Intergaláctica e a Confederação dos Mundos Livres que foi intermediado pelo GPT junto aos membros governantes e regentes destes mundos livres.

Outro tema que será abordado no livro da GFH será o caso do Brasil que se tornou alvo da Cabala e sendo o Brasil a sede do GPT nesta nova era, tornou-se também alvo de interesses de forças ocultas e alienígenas que vem sendo contidas pelo Grande Conselho Cósmico e Universal e pelas ações do CAD em proteção à GM, à GFH e ao GPT.

O que virá adiante não é parte da preocupação do GPT (eventos catastróficos) e sim, a forma como será instituído e manifestado o Plano Divino do Pai Micah. Esta sim é a prioridade máxima levada com determinação pela Hierarquia Espiritual da Terra e pelos Avatares que estão em processo de reencarnação no plano físico, eles chegam para substituir aqueles que vão deixar o orbe terrestre por não cumprirem as missões de vida assumidas antes de reencarnarem nesta vida atual.

E assim, os que vão permanecer na Terra serão aqueles que honraram sua lealdade ao Pai Micah e ao amado Sananda Kumara e que, dentro das suas limitações físicas e conscienciais ainda permaneceram firmes no propósito de servir ao Plano Divino na Terra.

Quando a hora soar, a verdade se revelará!

Em luz e amor,
Shima.
Namastê.





Links que complementam este artigo:


O Conclave de 1987 e o ano de 2012

2012 - O Inicio da Grande Missão

Gaia, a Deusa Mãe

A Guerra Cósmica e suas consequências

Chamado a todas as Águias

WESAK - Reconstruindo a Ponte

A Missão Pessoal e a Missão Planetária

Nibiru e a Rebelião Luciferiana

O Despertar Humano e Planetário

Ato da Regência Planetária

A Consagração da GFH no Tribunal do Conselho Cármico

A Instalação da Regência Planetária da Terra

O Decreto da Fonte Primordial

O Início dos Novos Tempos

O Resgate do Governo Planetário da Terra


Postar um comentário

 
Top