LEI DO RETORNO – A RESTAURAÇÃO DA MONARQUIA NO BRASIL – 17/09/2021 - Caminhando com o Mestre

Nosso Curso

LightBlog

NEWS

CONHEÇA NOSSOS LIVROS - CLIQUE PARA VER A PRÉVIA DO LIVRO

Para ouvir o Artigo - Aperte o Play

Translate

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

LEI DO RETORNO – A RESTAURAÇÃO DA MONARQUIA NO BRASIL – 17/09/2021

 


(*) Atualizado em 19/09/2021 com o acréscimo do vídeo sobre a farsa do Plebiscito de 1993, no final do artigo.

 

Muito se fala sobre o retorno da Monarquia no Brasil.

 

(...)

 

O Regime Monárquico e a formação de uma Nação andam juntos, pois o povo que vai ocupar um determinado território é selecionado pela Hierarquia Espiritual durante um longo período que muitas vezes é de cerca de mil anos, antes de se iniciar o processo migratório para uma determinada região.

 

O Regente que vai governar este povo é normalmente os pais que geraram os primeiros filhos que dão início à formação da tribo principal. Durante a expansão, o primogênito sucede o pai quando este desencarna e assume o reinado. No plano físico é assim que ocorre a transmissão de um poder na linha sucessória. Do plano espiritual essa linhagem é mantida e somente é permitida a descida do primogênito ‘a partir da escolha feita pelos Anciões do Clã.

 

Por isso em muitas sociedades existe o rigor com a manutenção do nome da família e da sua tradição. Quebrar esta linhagem ou desonrar a família acarreta uma punição grave por parte dos antepassados, sendo excluído no plano espiritual da linhagem a qual pertence. No caso da união de muitas famílias monárquicas com o casamento, isso simboliza a unificação de várias linhagens e a egrégora familiar é potencializada pela junção de vários Clãs através dos seus antepassados que se reúnem também no plano espiritual.

 

Dentro da sociedade humana esse processo hierárquico é um modelo de formação de núcleos familiares onde o Regime Monárquico existe e prospera. No caso, uma família forma seu próprio Clã e segue a sua tradição conforme é o modelo monárquico, sendo o primogênito da família, o sucessor direto do Cabeça do Clã. No caso da tradição oriental, o desrespeito ao Chonan desencadeia a inversão de valores, costumes e rompe com a tradição. Assim os ancestrais iniciam o processo que encerra a linhagem impondo o fim do Clã.

 

Como os Clãs tem sua egrégora, possui também seus guardiões. Com o fim da linhagem os descendentes passam a integrar a corrente evolutiva da humanidade no seu processo normal e perdem o vínculo que gera a proteção da egrégora ficando à mercê da Roda de Samsara, podendo renascer em outras tribos ou povos.

 

A família monárquica do Brasil Império conserva até hoje a tradição familiar e hierárquica e somente os membros desta linhagem renascem nesta família imperial Orléans e Bragança. A missão desta linhagem não findou com o exílio da Família Imperial depois da Proclamação da República em razão de haver ainda um Plano Divino para o Brasil. Caberá a um dos seus descendentes resgatar essa missão e para isso, um deles reencarnou fora da família para promover este resgate e realinhar o destino espiritual da Nação brasileira.

 

Se tiver sucesso, o retorno do regime monárquico ocorrerá de forma natural, pois este é o regime original desta Nação e deste povo. A maioria dos habitantes que viveram nos dois Impérios renasceu nesta época atual e estão ajudando o resgate nacional. Por isso, há uma empatia imensa e uma egrégora poderosa em torno do atual Presidente da República, ele carrega a marca daquele que foi obrigado a se exilar do país durante a noite para que não ocorresse uma manifestação popular.

 

Então, dentro da Lei do Retorno acontece o realinhamento no tempo/espaço com os mesmos personagens e as mesmas situações antagônicas. O que acontece com os movimentos a favor do Presidente Jair Bolsonaro nada mais é do que o ajuste cármico da Nação que não teve a oportunidade de se manifestar na época e agora o faz de forma consciente ou inconsciente resgatando o passado no presente, no Agora. Caberá então à Nação decidir se continua no Destino planejado para o Brasil pela Hierarquia Espiritual ou segue a linha Republicana que derrubou a Monarquia com um golpe de Estado em 1889.

 

Esta é a Guerra dos bastidores ocultos da Independência do Brasil que ainda não terminou.

 

RELAÇÃO DA LINHAGEM CRÍSTICA COM A MONARQUIA - 11/09/2019

https://www.ernesto-shimabuko.com/2019/09/relacao-da-linhagem-cristica-com.html

 

 

Saudações da Luz,

 

O Grito de Liberdade que ecoou no dia 07 de Setembro de 2021 em toda a Nação teve um significado espiritual/material de fundamental importância para todo o povo brasileiro, demonstrando o ponto de amadurecimento que não foi possível de ser alcançado no Plebiscito de 1993, quando ocorreu a consulta popular sobre a forma e o sistema de Governo para o Brasil, após a Constituição de 1988.

 

O Plebiscito de 1993 ocorreu no dia 21/04/1993, quando foi inicialmente programada para a data de 07/09/1993 conforme a Emenda Constitucional nº 2 de 25/08/1992. Seria o tempo razoável para se realizar o processo de divulgação, conscientização e o resgate histórico do Brasil Império, demolido por um golpe de Estado em 15/11/1889. A campanha Pró-Monarquia começou a crescer e teve que enfrentar a Frente Presidencialista e a Frente Parlamentarista organizadas para manter o Sistema vigente desde a Proclamação da República.

 

Em razão de interesses ocultos envolvidos na época, após o impeachment do ex-Presidente Fernando Collor e da próxima campanha eleitoral para a Presidência da República no ano seguinte, o temor de uma possível reviravolta na sociedade brasileira contra os escândalos de corrupções, ocasionou a pressão sobre a ala centro-esquerda que tomou vulto, já que os monarquistas colocavam em risco a agenda socialista a ser implantada no Brasil. Então, anteciparam o Plebiscito de 07/09/1993 para o dia 21/04/1993, reduzindo para 8 meses a campanha nacional sobre a forma e sistema de Governo.

 

Essa antecipação ocasionou também a redução do tempo e espaço necessário nos meios de comunicação de massa para o amadurecimento da proposta da Frente Monarquista e do projeto de conscientização do povo brasileiro sobre o resgate dos benefícios para a Nação da restauração da Monarquia que tinha transformado o Brasil Império na 4ª maior potência econômica daquela época e também um dos maiores e mais dinâmicos impérios do mundo.

 

O Brasil no Segundo Império tinha estabilidade interna e vivia a prosperidade econômica com o desenvolvimento da infraestrutura, o progresso se expandia na construção das estradas de ferro, a implantação do telégrafo elétrico e das linhas de navios a vapor unindo o Brasil de ponto a ponto formando uma unidade nacional.

 

O Império gozava do reconhecimento internacional como uma nação moderna, próspera e uma política estável. Havia muito investimento estrangeiro no Brasil e no continente americano ficava atrás apenas dos EUA nas questões políticas e econômicas.

 

Portanto, o plebiscito de 1993 no Brasil ocorreu em 21 de abril para determinar a forma e sistema de governo do país. A nova Constituição de 1988 determinava a realização de um plebiscito para se decidir se o país deveria ter uma forma de governo republicana ou monarquista e, qual o sistema de governo entre presidencialista ou parlamentarista. A Emenda Constitucional nº 2 de 25/04/1992 alterou a data constitucionalmente prevista para o plebiscito que era o dia 07/09/1993, antecipando-o para o dia 21/04/1993, causando a reação dos monarquistas que foram plenamente prejudicados com essa alteração.

 

O regime republicano e o sistema presidencialista saíram vencedores no plebiscito de 1993 já que foi a maneira e o costume pela qual o país havia sido governado desde a Proclamação da República ao longo de 104 anos. A única experiência no sistema parlamentar durante a República ocorreu no período de 1961/1963 que foi encerrada após um plebiscito. Foi uma batalha perdida pelos monarquistas, mas o início de uma nova consciência da Nação que começou o resgate da sua história e seu passado ancestral, raiz do povo brasileiro.

 

O Plebiscito de 1993 foi regulamentado pela lei 8.624 de 4 de fevereiro de 1993 cujo grande objetivo foi legitimar, após 104 anos, o golpe militar que impôs a República no Brasil em 15 de novembro de 1889. O resultado do sufrágio foi de 6.843.196 de votos representando 13,4% dos votos válidos para os monarquistas.

 

 

BRASIL IMPÉRIO – BRASIL REPÚBLICA

 

Ao se mencionar a soberania dos povos há que se levar em conta o fator fundamental alicerçado na Carta Magna que refere que o poder emana do povo e o Governo de uma Nação é executado pelo representante legítimo escolhido por este mesmo povo de forma democrática e transparente.

 

Há que se manifestar em todos os conflitos o respeito independente de ideologia partidária. Jamais uma sociedade pode obter a paz, a prosperidade e a segurança se houver interesses externos que se sobreponham à vontade do povo de uma Nação.

 

A Nação Brasileira nasceu do grito de Independência contra a exploração e a pressão estrangeira que impedia o povo de exercer a liberdade de viver conforme suas tradições, culturas, sonhos e ideais. O Brasil cresceu e amadureceu, tornando-se um dos maiores Impérios de sua época.

 

O vendaval revolucionário que varria a América Espanhola e a influência dos republicanos no Brasil desencadeou um golpe de estado que colocou fim à promessa do país do futuro, da nova civilização prevista para o nosso planeta. O desfecho negativo que culminou no término da Monarquia foi caracterizado por um caso pessoal envolvendo um marechal do Exército Brasileiro e a conspiração perpetrada para a implantação da República.

 

O projeto republicano era uma influência direta da Revolução Francesa que alcançou o seu objetivo em 1889 após exilarem a família Imperial do Brasil, mas a República almejada por seus idealizadores estava longe de ser alcançada pela forma como nasceu através de um golpe de estado marcado por traições. Esta seria a maldição do novo regime de Governo.

 

Vinte e oito anos depois em 1917 ocorria na Rússia a Revolução Bolchevique que também colocou fim ao Império Russo. E foi através desta revolução comunista que a República do Brasil passou a ter o seu pior inimigo ao longo de um século marcado por golpes de estado, revoluções e instabilidade política. Desde então a interferência externa na política brasileira foi intensamente influenciada pela Internacional Comunista através dos partidos de esquerda no Brasil.

 

Cem anos depois da Proclamação da República começou no Brasil a tomada de poder pela esquerda internacional a partir da Eleição Presidencial de 1989 no mesmo ano da Queda do Muro de Berlim que determinou o início do fim da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Este evento desencadeou a reação comunista na América Latina com a criação do Foro de São Paulo fundado pelo PT (Partido dos Trabalhadores) para implantar o modelo soviético em nosso Continente com o apoio direto de Cuba.

 

Em um século a influência, apoio e a interferência direta da URSS, China, Cuba e outros países comunistas desencadearam o atraso no desenvolvimento da Nação Brasileira através de revoltas populares, atentados terroristas e guerrilhas para destruir as tradições e a cultura do nosso povo para implantar o regime socialista no Brasil.

 

Os últimos 16 anos de governo executado pela esquerda no Brasil promoveram um dos maiores caos na sociedade e a destruição dos alicerces tradicionais sustentados na família cristã. A violência, a corrupção, a perda de valores morais e éticos foram as marcas deixadas pelo comunismo em nosso país.

 

O basta da Nação Brasileira contra o comunismo ocorreu no dia 21 de Outubro de 2018 durante o “Movimento Vem Pra Rua” que determinou o fim do domínio socialista e após a votação do segundo turno da Eleição Presidencial do ano passado, elegeu o atual Presidente da República.

 

 

A Magia e a Maldição

 

Um fato marcante que causou a mudança radical e a vitória da Direita na Eleição 2018 foi uma palavra mágica, a mesma que foi dita no golpe de estado por um marechal do Exército Brasileiro que colocou o fim no Império do Brasil: “Ele Não!”.

 

Foi com estas duas palavras que o Marechal Deodoro da Fonseca decidiu participar do golpe promovido pelos republicanos, quando seus líderes disseram que um rival dele assumiria o cargo de Primeiro Ministro, o Marechal sem perceber a mentira, respondeu: “Ele Não!”. E deu o golpe na Monarquia mesmo sendo amigo de Dom Pedro II.

 

Na Eleição Presidencial de 2018, a esquerda criou o slogan #EleNão, que desencadeou uma reação da sociedade brasileira contra as mentiras difundidas por este movimento comunista. A Lei do Retorno foi transcendental no episódio da última eleição para Presidente da República, pois foi também com a influência do Exército Brasileiro que a Nação Brasileira resgatou a sua soberania nacional.

 

130 anos depois, o Brasil retomou o seu destino sagrado e a oportunidade de dar prosseguimento ao seu Plano Divino como Nação do planeta Terra.

 

 

POR QUE NA REPÚBLICA DO BRASIL HÁ TANTOS GOLPES E ATENTADOS?

 

Aqui temos um manancial de fatos ocorridos a começar pela nossa Independência, que foi um ato de rompimento entre o Brasil e Portugal em 1822. Neste ponto, tudo bem. Foi necessário. Nasceu uma nação soberana e livre. Tornou-se o Império mais promissor da época. E também não houve a quebra nos laços familiares da Casa Imperial.

 

Mas durou apenas 67 anos.

 

Em 15 de novembro de 1889 começou uma espécie de maldição na política brasileira a partir do golpe militar executado pelo marechal Deodoro da Fonseca. E o mais absurdo foi que este ato foi desencadeado a partir de uma mentira forjada pelos militantes republicanos que disseram ao militar que ele seria preso por ordem imperial e, foi por isso que ele aceitou participar do golpe de Estado naquele dia.

 

E sem que o povo brasileiro soubesse, embarcaram a família imperial no navio na calada da noite sob “baionetas” e a enviou para Portugal. A Marinha Imperial queria resistir, mas o Imperador não deixou.

 

Outro ponto interessante para observar é que a influência decisiva para o golpe republicano contra a monarquia relaciona-se aos efeitos ocorridos após o decreto da Lei Áurea que determinou a Abolição da Escravidão no Brasil ocorrida em maio de 1888. Os grandes fazendeiros ficaram sem mão de obra e isso desencadeou o caos dentro do processo econômico de produção nas fazendas. A influência desta classe de produtores na época do Império era decisiva na política nacional.

 

O primeiro Presidente da República, o próprio Marechal Deodoro da Fonseca renunciou 2 anos depois. Dos 15 Presidentes eleitos na Primeira República, apenas 6 cumpriram o mandato de 4 anos de governo. Um morreu antes de tomar posse e outro foi impedido de assumir com o golpe da Revolução de 1930 e o antecessor deste foi deposto por um golpe militar. Os outros 5 restantes não completaram os seus mandatos, ou porque faleceram, ou porque ficaram doentes ou porque completaram o restante do mandato do Presidente anterior. Dois Presidentes deste último grupo sofreram atentados.

 

Este período da República da Espada foi marcado pelo revezamento dos mandatos presidenciais pela política “Café com Leite” num sistema de rodízio entre os políticos de São Paulo e Minas Gerais em detrimento ao resto do país. A eleição de Júlio Prestes do PRP (Partido Republicano Paulista) foi alvo de acusação pela primeira vez de fraudes numa eleição presidencial e o segundo colocado da AL (Aliança Liberal) que reunia os partidos de oposição contra Júlio Prestes não aceitou a posse dele e promoveu o golpe militar.

 

No mandato do 9º Presidente Venceslau Brás ocorreu a Primeira Guerra Mundial e também a 1ª Greve Geral de 1917 com centenas de mortes inspiradas pela Revolução Bolchevique. E no mandato presidencial de Epitácio Pessoa foi fundado o PCB – Partido Comunista Brasileiro em 1922. Desde então, com a chegada de muitos imigrantes da Europa, começou as ondas de greves operárias e camponesas no Brasil.

 

A primeira República durou apenas 41 anos e terminou com a Revolução de 1930 e uma Junta Governativa Provisória, que deu origem ao Estado Novo no qual o Presidente Getúlio Vargas implantou uma ditadura que durou 15 anos até o final da Segunda Guerra Mundial. Foi deposto por um golpe militar e substituído pelo Presidente do STF José Linhares encerrando-se a Era Vargas. Neste período ocorreu a Intentona Comunista de 1935 e posteriormente iniciou a Segunda Grande Guerra e foi marcada pela segunda e terceira Repúblicas.

 

A quarta República (República Populista) iniciou-se ao final do conflito mundial e em 1946 com a eleição de Eurico Gaspar Dutra, os mandatos presidenciais passaram a ser de 5 anos. Dos 9 Presidentes da República deste período, apenas 2 cumpriram seus mandatos. Um Presidente cometeu suicídio, outro renunciou, 3 sofreram golpes militares e 2 ocuparam interinamente a Presidência da República por serem Presidentes da Câmara e outro do Senado.

 

A quinta República foi a do Regime Militar e o primeiro Presidente a ocupar o cargo foi um civil que era o Presidente da Câmara até que o novo Presidente da República fosse eleito para cumprir o mandato do último Presidente deposto. Durante o Regime a Presidência da República foi ocupada por 5 Generais, todos eleitos pelo Congresso Nacional de forma indireta e disputada com os candidatos da oposição.

 

O primeiro general a assumir a Presidência foi o marechal Humberto Castelo Branco que morreu 3 meses após deixar a Presidência num acidente aéreo que levantou a suspeita de atentado. Teve neste período um Vice Presidente civil, o qual foi impedido de tomar posse com o afastamento do General Costa e Silva que havia sofrido um derrame cerebral uma semana antes de assinar uma emenda Constitucional que promoveria a volta da democracia e o fim do regime militar. Este general morreu poucos meses depois.

 

Assumiu então uma Junta Governativa Provisória. Houve 3 tentativas de devolver a Presidência da República para os civis, uma com o marechal Humberto Castelo Branco, outra com o general Emílio Garrastazu Médici e depois com o general Ernesto Geisel que afirmou que a redemocratização seria um processo "lento, gradual e seguro". Os atentados terroristas e as guerrilhas comunistas somadas à reação da Linha Dura das Forças Armadas e de políticos anticomunistas dificultaram a volta dos generais aos quartéis.

 

O fator marcante neste período foi a Guerra Fria desencadeada entre o Ocidente e a URSS, que teve na expansão do Comunismo a causa de inúmeras crises mundiais, com revoltas populares, levantes armados e golpes com tomadas de poder. Este conflito iniciou-se em 1945 e findou em 1989 com a queda do Muro de Berlim. O final da Segunda Guerra Mundial definiu o conflito global entre o Capitalismo e o Comunismo na disputa pelo domínio geopolítico mundial. O genocídio em massa foi a característica principal deste movimento comunista.

 

Neste período, o Regime Militar implantou inúmeras reformas políticas, sociais, econômicas, tributárias, na educação e na saúde, de ciência e tecnologia, de infraestrutura básica a nível nacional e, também, na implantação de estratégias relacionadas às explorações dos recursos e riquezas naturais. Em apenas 21 anos de Governo Militar, o Brasil passou a ser a 8ª economia mundial.

 

A reforma político partidária, a anistia política e a abertura política para o processo de redemocratização foram realizadas pelos dois últimos Presidentes, general Ernesto Geisel e general João Figueiredo. Não foi um processo tranquilo ou suave, mas muito turbulento e com ações de revoltas e golpes de ambas partes, tanto da Linha Dura dos militares como também dos Comunistas. Acrescenta-se neste tumulto, as crises econômicas mundiais que ocorreram nas décadas de 70 e 80.

 

Todos os avanços conquistados pelo Brasil atualmente, foram alicerçados e estruturados durante o Regime Militar.

 

 

A Nova República – 1985 a 2018 (Sexta República)

 

A Redemocratização do processo político brasileiro foi marcada por muitos obstáculos. O primeiro presidente civil eleito no Colégio Eleitoral foi Tancredo Neves da oposição ao Regime Militar, mas ele não tomou posse devido à uma doença que o levou a óbito, assumindo em seu lugar o Vice-Presidente José Sarney em 1985, iniciando assim a Nova República.

 

Em 33 anos do Regime Democrático, tivemos 8 Presidentes no período da Nova República; o primeiro Presidente eleito não tomou posse por problema de saúde vindo a falecer semanas depois.  Dois Presidentes sofreram Impeachment, 2 completaram seus mandatos e 3 Presidentes eram Vices. Sendo que dois destes Presidentes foram presos.

 

Durante as campanhas eleitorais, além da morte do Tancredo Neves, houve outro incidente com a morte do candidato Eduardo Campos num acidente aéreo durante a campanha presidencial nas Eleições de 2014. O obituário neste período registrou a perda de muitos políticos com lideranças a nível nacional como a morte de Ulisses Guimarães em 1992 num acidente aéreo, de Luís Eduardo Magalhães, expoente político baiano em 1998, Leonel Brizola em 2004, Mário Covas em 2001, Orestes Quércia em 2010, Antônio Carlos Magalhães em 2007, Teori Zavascki em 2017, todos com potencial para concorrer à Presidência da República.

 

O fato mais recente foi o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro em 06/09/2018 durante a campanha eleitoral à Presidência da República em Juiz de Fora, MG, executado por um militante da esquerda, preso em flagrante. O candidato saiu gravemente ferido deste atentado e continuou liderando a corrida presidencial no segundo turno.

 

 

A Eleição Presidencial de 2018

 

Se observar atentamente o que vem ocorrendo desde o fim do Regime Militar em 1985, percebe-se que a nossa Constituição de 1988 foi totalmente formalizada pela esquerda e por isso, temos hoje um processo de destruição da sociedade assegurada pela Carta Magna, cujos desvios de condutas são marcados por escândalos desde que o socialismo vem sendo implantado como um regime de governo nas últimas duas décadas. O “Caso Collor” foi na verdade a derrubada do processo democrático e liberal que estava nascendo em nossa Nação.

 

Nossa Carta Magna já tem os alicerces básicos para sustentar a democracia em seus direitos constitucionais, mas foi recheada de artigos para agradar e satisfazer os interesses partidários de várias vertentes e assim desvirtuar a essência da Constituição, abrindo espaço em seus artigos para a contestação ou então a dupla interpretação para favorecer interesses obscuros.

 

O que aconteceu no processo de Impeachment da última mandatária foi um caso atípico, o de se “rasgar a Constituição” diante de todos por um juiz do STF, configurando assim a fragilidade que há embutida em seus vários artigos e parágrafos que foram acrescentados sutilmente com intenções escusas.

 

Neste plano sinistro, é visível que a implantação do comunismo como sistema de governo no Brasil seria realizada agora nesta Eleição de 2018, mas que uma série de erros cometidos pelas lideranças dos partidos de esquerda que são incompatíveis entre si por seus conflitos internos, ocasionaram o fracasso do plano original, mas que terão que ser cumpridos agora de uma forma ou de outra.

 

E como é do nosso conhecimento os casos anteriores desde a proclamação da República com as eleições presidenciais e a sucessão de golpes e atentados, as ocorrências nas últimas duas eleições – de 2014 e de 2018 – fica bem clara a forma de tomada de poder no Brasil pelos comunistas. As fraudes são evidentes, mas não comprovadas, pois tornaram as urnas eletrônicas inauditáveis. E conforme os eleitores vão se conscientizando de como essas fraudes ocorrem, mais difícil fica para os líderes comunistas assumirem o poder em nosso país.

 

A sociedade brasileira deve analisar o processo de implantação do socialismo desde 1994 que tinha o propósito de alavancar a economia do país, para a produção de riquezas que seriam necessárias no sistema comunista quando isso ocorresse no Brasil. Verifiquem para onde foi direcionado todo o dinheiro arrecadado pelo Estado nos mandatos presidenciais seguintes e terão a visão do plano sinistro que há por trás do movimento comunista em toda a América Latina.

 

Podemos olhar de forma imparcial de um ângulo mais acima dos acontecimentos sem se envolver no caos que se desencadeou no processo de impeachment do Presidente Collor, independente da questão pessoal dele como representante político e responsável pelos bens públicos. Já havia uma tendência profunda para a ocupação do poder pela esquerda, mas o trajeto deste personagem mais liberal impedia o plano sinistro comunista de ser implantado, caso ele obtivesse sucesso. Foi pego pelo ego inferior, uma das fraquezas humanas, que fazem muitas vítimas que entram no Sistema e não estão preparados.

 

Outro ponto foi a rapidez com que este processo do Impeachment de 1992 ocorreu e foi bem diferente do último caso ocorrido em 2016 que foi mais debatido e contestado, o que fez transparecer a tentativa de manipulação e a evidência que uma tentativa de golpe estava ocorrendo. O estudo sobre os acontecimentos a partir das eleições de 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014 revelam uma sequência de atos, planos e um detalhado programa de cunho comunista sendo implantado ano após ano na sociedade brasileira.

 

As infindáveis ondas de mentiras, corrupções e casos judiciais com prisões de personalidades políticas e empresariais envolvidas nesta agenda maligna surpreende pela dimensão que alcançou ultrapassando as nossas fronteiras envolvendo outros continentes. Os métodos se revelam sombrios por envolverem ditaduras e governos radicais, principalmente aqueles que têm em suas agendas políticas a destruição do capitalismo e das nações que defendem o livre mercado.

 

Por isso deixei a chave da questão no artigo que iniciou toda a série sobre o Resgate da Nação brasileira, o perigo que estamos correndo e que pode acabar com a nossa Independência e Soberania como povo e nação. A “maldição” para que a República nunca conseguisse ser instaurada de forma pacífica no Brasil, é porque nasceu a partir de uma traição perpetrada contra a Nação na calada da noite, implantada por um golpe de estado.

 

Lembrem-se da história. O Império do Brasil caiu em 1889 e o Império Russo sucumbiu em 1917. Algo bem sinistro estava por trás de tudo. Não é à toa que a Queda do Muro de Berlim ocorreu em 1989 e o Foro de São Paulo nasceu em 1990 no Brasil. Em 2017 começou a onda de transformação na política e na sociedade brasileira. O Brasil está mais consciente. O ponto de virada é agora nesta Eleição de 2018 que poderá fechar o ciclo do Mal não somente no Brasil mas no mundo inteiro.

 

Agora podemos encerrar esta guerra com a decisão do povo brasileiro: Decidir por qual regime quer seguir. Não é mais por um regime de monarquia ou república, mas pela democracia cristã ou pela ditadura comunista. Esta é a escolha da sociedade brasileira. A verdade aflorou por toda a Nação.

 

Há dois caminhos.

 

Qual deles a Nação brasileira vai escolher?

 

A de uma Nação sustentada no Amor Crístico?

 

Ou a de uma Nação dominada pelo Medo e o Mal?

 

“Brasil acima de Tudo e Deus acima de Todos!”

 

Este é o nosso Grito de Independência.

 

 

130 ANOS DEPOIS

 

A data de 1º de Janeiro de 2019 ficará para sempre registrada na História do Brasil como o Resgate da Nação Brasileira de forma ímpar em relação a todos os eventos semelhantes em seu percurso como República marcada por inúmeros golpes de Estado e tentativas de tomada de Poder.

 

Nos 197 anos de história, o Brasil teve apenas dois Imperadores num período de 67 anos e 38 Presidentes da República em 130 anos. O atual Presidente é o 8º a ocupar o cargo na 6ª República que teve outras 5 anteriores também marcada pelo estigma das revoluções.

 

No artigo postado em 04/09/2018 “Independência do Brasil – O Resgate da Nação” publiquei a seguinte questão:

 

07 de Setembro de 1822. Lembra desta data?

07 de Setembro de 2018... O que está acontecendo hoje?

 

Na verdade, eu estava chamando a atenção para um fato inédito na nossa história como povo, nação e estado de direito, que estava sendo resgatado a nível nacional, onde havia uma série de fatores também transcendentais em movimento para restabelecer a Lei e a Ordem em nosso país.

 

Então nestas duas datas da nossa Independência ocorreu uma sincronicidade dentro do espaço tempo, onde uma fenda temporal foi aberta criando um ciclo repetitivo para a Nação brasileira ligando dois pontos históricos como se houvesse surgido a oportunidade de correção de rumo em seu destino pré-determinado que fora bruscamente alterado por um golpe de estado há 130 anos.

 

Outro ponto fundamental para analisar mais a fundo o evento foi o incêndio no Museu Nacional ocorrido no dia 02/09/2018 quase à véspera do dia da Independência que nos chamou a atenção. Sentimos que algo realmente “estranho” estava acontecendo e não era coincidência, porque foi neste Palácio em que a Imperatriz D. Leopoldina escreveu a carta a Dom Pedro I (que estava viajando para São Paulo) que definiu a Independência do Brasil.

 

Depois consultando os registros históricos foi possível observar que pouco antes do golpe da República em 1889, o próprio Dom Pedro II havia sofrido um atentado contra sua vida (tinha sido quase baleado). Aqui neste ponto, os elos se ligaram. E foi então que as duas questões apresentadas naquele artigo e mencionadas acima se confirmaram, mas agora, sobre um novo cenário.

 

Isso porque no caso dos dois atentados (passado e atual) mesmo que os criminosos tenham sido presos, não foi possível comprovar as ligações dos acusados com os movimentos revolucionários.

 

Estava havendo um resgate também da condição em que o Brasil se encontrava como nação soberana e uma das potências que mais se desenvolvia na época diante do mundo. Esse legado de Dom Pedro II se perdeu nos sucessivos conflitos republicanos que seguia o mesmo caminho das repúblicas vizinhas da América espanhola, numa sucessão de golpes de estados.

 

O elo que ficou notável no dia da posse do atual Presidente da República foi o fato de se propor a resgatar o legado de prosperidade e soberania deixado por Dom Pedro II antes de ser exilado do Brasil. Os dois personagens históricos se fundem em suas missões de vida.

 

Além do apoio popular ao atual mandatário do país, houve a movimentação das Forças Armadas para que o processo eleitoral ocorresse dentro da legalidade e no momento da posse, a passagem da Faixa Presidencial teve outro fato inusitado em relação ao passado quando observamos que o ex-Presidente Temer e o Marechal Deodoro da Fonseca permaneceram nos cargos por apenas 2 anos.

 

O primeiro Presidente da República Marechal Deodoro da Fonseca renunciou 12 dias antes da morte de Dom Pedro II e veio a falecer no ano seguinte. No caso do último Presidente da República, ele havia assumido o cargo após o Impeachment da antecessora.

 

É como um lapso no tempo de um período que foi interrompido e agora é unido de forma surpreendente com a votação democrática do povo brasileiro contra um novo golpe de estado e o retorno às suas essências como nação predestinada a ser a Luz do Mundo.

 

O povo brasileiro não teve a oportunidade de decidir o destino do Segundo Império, mas alcançou nesta Eleição de 2018 a maturidade para decidir o seu destino como Nação e a coragem de enfrentar com plena consciência o mal que havia se alastrado na sociedade desde a Primeira República.

 

E na Lei do Retorno é preciso que os mesmos personagens envolvidos em eventos pregressos retornem à reencarnação para cumprir a missão não concluída, principalmente quando isso afeta de forma negativa toda uma sociedade ou uma nação.

 

A posse do novo Presidente da República marca um novo ciclo no Brasil como um divisor de águas, é a ponte que une o passado e a realidade do Brasil hoje.

 

E o Presidente que tomou posse no dia 1º de janeiro de 2019 foi o primeiro mandatário da República a receber da Marinha do Brasil a mais alta condecoração do Mérito Naval no grau Grã-Cruz, caracterizando mais uma vez outro fato sui generis, porque a missão de Dom Pedro II foi interrompida quando ele foi colocado dentro de uma embarcação do Arsenal da Marinha Imperial, o vapor Alagoas, ao ser exilado do país.

 

É importante lembrar que a Marinha foi a primeira Força Armada oficialmente constituída por D. João VI (avô de D. Pedro II). Assim a condecoração do Mérito Naval ao atual Presidente, além de sua máxima honraria possui relevante poder histórico.

 

A esperança que surge nas mentes e corações do povo brasileiro é uma promessa que cria os alicerces do amanhã, resgatando a nossa essência primordial como nação da Nova Era.

 

Como em toda jornada renovadora, os desafios são muitos, afinal foram 130 anos de desvio de rota que precisam ser ajustados e haverá necessidade de muito tempo para que a bússola seja colocada no lugar certo.

 

Conter o "motim a bordo" é o maior obstáculo do capitão do navio, que deverá ter o pulso firme no comando da embarcação que já levantou âncora.

 

Deverá demarcar o rumo correto na direção do horizonte, consciente de que as tormentas surgem durante a jornada, mas que no mar revolto, a coragem e a fé na Providência Divina são infalíveis.

 

O Sol desponta no horizonte e a viagem de quatro anos se inicia nas mãos de Dom Pedro II.

 

 

A Missão Espiritual de Jair Messias Bolsonaro

 

Aqui neste ponto da história do Brasil ocorre algo transcendental.

 

Como em toda maldição, um elo “espiritual” que foi rompido num passado há que um dia ser “religado”. Assim é a Lei de Deus. Uma Nação que nasceu sob os princípios cristãos e tinha acima de todos os seus símbolos nacionais a Cruz da Ordem de Cristo revelava o seu destino sagrado e divino como “povo escolhido” para um propósito também divino. E esse resgate sagrado somente poderá ocorrer pela vontade manifestada do povo brasileiro e por um líder que seja inspirado e conectado com as aspirações sagradas deste povo e desta Nação abençoada por Deus.

 

Os desígnios de Deus são desconhecidos para a compreensão humana, mas podem ser observados nos acontecimentos que se sucedem quando um líder assume essa condição de reconstruir a História pregressa da Nação e seu vínculo sagrado com Deus. Neste ponto o sinal é revelado. O que virá em seguida nesta descoberta é o Verbo em ação, onde a vontade de Deus se manifesta e move a onda transformadora por toda a Nação. Este é o Poder de Deus. Deus se manifesta na mente, no coração e nas mãos dos seus filhos.

 

No processo do resgate da Nação é preciso que o “elo rompido” com o golpe de Estado ocorrido em 1889 seja reconstruído através de um mesmo personagem que simbolizou naquela época o último suspiro do seu Reinado, sendo então, o Presidente Jair Bolsonaro possuidor das mesmas características de Dom Pedro II, tanto em seu comportamento, caráter, visão e obras. Representa o arquétipo do último Imperador do Brasil e poderá ser este “elo de ligação” que unirá o ponto rompido com a nova geração da Casa Imperial, herdeiros legítimos de Dom Pedro I e Dom Pedro II.

 

A realidade que é vivida na República atual demonstra a necessidade desta mudança institucional, onde a ausência de um Poder Moderador é sentida em toda a sua profundidade e dimensão histórica. E o que ocorre em todas as esferas do Estado Brasileiro é revelador. O que nasceu torto, morre torto. A “maldição” da República somente poderá ser extinta com o fim da própria República que em nada tem a ver com os princípios ancestrais desta Nação crística e com as origens deste povo brasileiro. Há uma tradição, cultura e crença enraizada no subconsciente coletivo da Nação que jamais poderá ser maculada ou destruída. É a certidão de nascimento deste povo, deste país e a sua história.

 

A dimensão do cargo ocupado pelo Presidente da República acarreta a dupla função de Chefe de Estado e de Chefe de Governo dentro do Poder Executivo da União. A função de Chefe de Estado é reservada ao Imperador dentro de um regime monárquico, estabelecendo assim o equilíbrio entre todos os Poderes de Estado, já que o Poder Moderador é suprapartidário e representa a vontade do Povo e da Nação, independente das mudanças transitórias que é comum entre os partidos e ideologias a cada eleição. A estabilidade de governo decorre disso, onde a figura do Imperador assegura a continuidade do desenvolvimento, do progresso e da paz de uma Nação.

 

Até a egrégora do “Mito” é externada nessa consciência coletiva da nossa origem consagrada aos nossos Imperadores do passado, Dom Pedro I e Dom Pedro II, reais representantes da Nação e do Povo. Esse é o entendimento que o Brasil precisa descobrir e aceitar. Somos súditos da Coroa de Cristo, por isso o Cristo Redentor é o nosso maior símbolo sagrado nacional. Se o Brasil não sucumbiu diante do Mal é porque a Luz do Bem e da Verdade ainda brilha em cada coração e resplandece no verde amarelo da nossa Bandeira.

 

A cor verde era tradicional da Casa de Bragança, a que pertencia o primeiro Imperador, ao passo que o amarelo era a cor da Casa de Habsburgo-Lorena, à qual pertencia a Imperatriz D. Leopoldina, nossos pais fundadores.

 

 

07 de Setembro de 2021, a Verdade revelada

 

Às vésperas de comemorar os 200 anos da nossa História como Nação Independente e na mesma data, o povo brasileiro deu o seu Grito de Liberdade e nomeou o Presidente Jair Bolsonaro para conduzir todo o processo de libertação do país e do Estado brasileiro do jugo do Mal que se apossou da Nação no golpe de Estado ocorrido em 15/11/1889, desestabilizando toda a sociedade brasileira nos últimos 132 anos levando o país à beira do abismo e da guerra civil.

 

Há uma luz no final do túnel se todo esse processo for conduzido com sabedoria, determinação e coragem.

 

Da mesma forma que aqueles que serviram de instrumento para este Mal se disseminar em toda a Nação, caberá à mesma instituição, o Exército, a missão de resgatar a Monarquia da qual foi o responsável pela sua queda através do golpe contra o Imperador Dom Pedro II. Não há como fugir desta “maldição”. O remédio da cura vem do próprio veneno. É preciso transmutar o Mal em Bem. Por isso, o Povo exige a intervenção federal dos Forças Armadas. Essa é a verdade que precisa ser dita aos generais.

 

Foi através desta instituição federal que os revolucionários derrubaram a Monarquia. Então será através desta própria instituição federal que a correção poderá ser feita e a verdade restabelecida. O povo na época não foi consultado e nem foi permitido se manifestar. Agora, depois de 132 anos, não dá mais para manter oculta a mentira. Foi um golpe de misericórdia contra o nosso Imperador Dom Pedro II que era amado pelo povo brasileiro da época e foram calados.

 

Outro fator revelador que precisa ser dito aos generais é que foram usados para fechar o Parlamento do Império e não derrubar a Monarquia. Cometeram dois erros em apenas um golpe. É hora de consertar tudo isso. Esse é o momento de passar a mão na consciência. O Exército Brasileiro é o responsável pelo que assistimos nos dias atuais, quando a Nação acorda de um pesadelo e quer a mudança e o retorno à normalidade dos nossos princípios cristãos. A Marinha do Brasil não participou do Golpe de Estado contra a Monarquia e se não fosse esta instituição militar que levou em segurança a Família Imperial para a Europa, talvez nem teríamos a atual Casa Imperial do Brasil herdeiros legítimos de Dom Pedro II.

 

Não há espaço para a ruptura institucional, mas apenas colocar a Lei e a Ordem em casa. Temos um longo tempo pela frente e tudo pode ser realizado dentro do que rege a Constituição. A soberania do Povo e da Nação precisa ser preservada e defendida. Os valores da Pátria não podem ser subvertidos por doutrinas importadas de fora com ideologias contrárias às crenças e tradições deste povo. Há um poder paralelo implantado em nosso país e isso é tão óbvio que apenas um cego não consegue ou não quer ver. Até a tolerância tem limites.

 

A cobrança na segurança das eleições de 2022 é uma pauta nacional. Será nestas próximas eleições que poderão ser alterados 1/3 dos membros do Senado Federal e o total da Câmara dos Deputados, além de todos os Governadores Estaduais. O próximo Mandatário do Poder Executivo também será consagrado nesta eleição. Esta é a próxima fase da mudança Brasil, porque também o próximo Presidente da República poderá recompor a Suprema Corte com a indicação de mais 2 novos Ministros de acordo com a vontade do Povo, promovendo uma mudança gradual na mais alta corte do Poder Judiciário, onde poderão ser substituídos 4 dos atuais 11 que faziam parte do antigo Sistema de Poder. Dois destes Ministros já foram indicados pelo atual Presidente Jair Bolsonaro.

 

Nos próximos 3 mandatos é possível a substituição de 9 Ministros do STF de forma tranquila respeitando a atual Constituição Federal. Já nas eleições de 2026 a possibilidade de concluir a mudança plena no Senado Federal com os outros 2/3 das cadeiras poderá ocorrer também de forma natural. Portanto, tudo é uma questão de tempo, consciência popular e a garantia da Lei e da Ordem Constitucional.

 

Aqui entra o Artigo 142 da Constituição, onde é oferecido a oportunidade de o Exército Brasileiro resgatar a sua dívida com a Nação, caso a desordem e novas tentativas de derrubar o atual Presidente da República continuem sendo promovidas pelo ativismo antipatriótico e contra a vontade popular.

 

O que ficou notável nesta atual crise política institucional do país é a ausência do Poder Moderador que existia no Brasil Império. E é isso que a Nação precisa resgatar. E isso é possível através da atual Constituição onde em seu Artigo 14 determina:

 

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:

 

I - plebiscito;

II - referendo;

III - iniciativa popular.

 

Chegou a hora da Nação resgatar seus laços históricos e seu passado ancestral que fundou as raízes da sociedade que somos hoje. Brasileiros.

 

É hora de debater a restauração da Monarquia no Brasil e retomar o caminho interrompido por um golpe de Estado em 1889. Somente assim, a Nação terá paz e prosperidade.

 

Não há como clamar por Deus e ignorar o Plano Divino do Brasil.

 

Essa é a missão espiritual oculta destinada ao atual Presidente da República Jair Bolsonaro, fazer isso acontecer!

 

E cumprir a missão de ligar o “elo” que foi rompido, unindo a Casa Imperial com a Nação e a vontade do Povo.

 

A solução Brasil existe e passa pelo resgate das suas origens.

 

Temos então os dois caminhos: o do Amor ou o da Dor!

 

Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!

 

Em Luz e Amor,

Deus está conosco!

Paz, Brasil!

Shima.

Namastê.


Documentário Brasil Paralelo


Primeiro Reinado



Segundo Reinado



O PLEBISCITO DE 1993

_______


APOIE


* Você pode contribuir com nossos trabalhos adquirindo nossos livros, cursos, clicando nos banners promocionais, compartilhando nossos artigos e recomendando os nossos trabalhos aos seus amigos ou se possível, considere fazer uma doação.
Gratidão profunda.

Para doar pelo Paypal, envie qualquer valor para o email: caminhandomestre@gmail.com

 


Ou se preferir pela Modalidade de pagamentos do WhatsApp:  +5512981379027 em nome da Renata.


#ShimaEUAPOIO - Doação por PIX para o BLOG: 


Chave PIX por email: caminhandomestre@gmail.com

ou através da chave por QRCode ao lado.









Nenhum comentário:

Postar um comentário

PODCAST

Instagram - Conheça o Instituto Portia

NOSSAS PUBLICAÇÕES

Artigos por Temas

#ShimaEUAPOIO (1) 12 Atos (4) 12.12.12 (1) 2012 (4) Agenda Globalista (10) Águias (13) Aliança Cruzeiro do Sul (2) Amaterasu (1) Amazon (1) Annunakis (7) Anti-Crísticos (6) Apocalipse (2) Arcanjo Miguel (7) Arcontes (1) Ashtar Sheran (19) Athena (1) Atlântida (1) Autoconhecimento (2) Blog (8) Bolhas de Luz (1) Bolsonaro (34) Bombojira (1) Brasil (40) Brava Gente News (1) Bushido (1) CAC (1) CAD (40) canalizações (115) Censura (2) Chama Violeta (2) Chamado (7) China (6) Chonan (3) Clã (3) Comando Ashtar (21) Comunismo (93) Conclave (4) Conspiração Alien (8) CPI (2) Cristo (5) Cristo Maitreya (8) Curso (1) Data Limite (19) DCM (1) Decreto (4) Dekassegui (1) Desarmamento (1) Despertar (9) Destino das Nações (1) Djwhal Khul (2) Draconianos (5) Dragões (11) Dragões Dourados (5) Dúvidas dos Leitores (12) Ebooks (1) ECA (1) eclipse (1) El Morya (3) Eleições (15) Era de Aquário (2) Ergs (1) Espanha (1) Estados Unidos (10) Estatuto Social (1) EuApoio (1) Europa (1) Eventos (2) explosões solares (2) Expurgo (3) Exu (2) Exu Caveira (1) Facebook (2) Felinos (1) Fraternidade Negra (1) Gaia (15) Gatos (1) GESARA (1) GFH (18) GM (3) Goiás (1) Governo Oculto (9) GPT (30) Grande Fraternidade Branca (4) Grande Reset (1) Greys (1) Guardiães da Luz (2) Guerreiros da Luz (21) HEMK (1) HEMM (1) Hospital Espiritual (1) Illuminati (2) Indonésia (1) Instituto Portia (4) Intervenção Divina (1) Israel (1) Japão (6) Jornalismo (2) Jornalistas (1) Kindle (1) Kwan Yin (8) Lady Portia (3) Lar de São Francisco (2) Lei do Retorno (3) Livros (1) Lord Maitreya (14) Lúcifer (1) maçonaria (1) Mãe Divina (5) Mãe Maria (16) Magos Negros (1) Maria Madalena (7) Mediunidade (4) Mestra Nada (34) Mestre Jesus (3) Mestre Kuthumi (1) Minhas reflexões (11) Monarquia (3) Morgs (2) Motociata (3) MPT (4) Não-Confederados (1) Nebadon (4) NESARA (1) Nibi (2) Nibiru (2) Nihon (1) Nova Era (2) ONGs (1) ONU (1) Operação Brasil (68) Operação Resgate (25) Orações (2) Orbs (1) OTAN (1) Pai João de Angola (1) Pai João de Aruanda (2) Pai Micah (33) Pai Quirino (1) Pandemias/Epidemias (15) Pedras no Caminho (1) Plano Divino (60) Plêiades (2) Pleiadianos (1) Portais de Luz (22) Portugal (4) Povo de Aruanda (8) Príncipe Planetário (7) Projeção da Consciência (8) Projeciologia (5) Projeto Comunista (53) Projeto Era de Aquário (1) Publicações (2) Putin (1) Rebelião Luciferiana (3) Reino Unido (1) Remote View (2) Reptilianos (2) Rússia (5) Saint Germain (15) Sananda Kumara (12) Sara Kali (3) Servidores da Luz (1) Shakti Revista (1) Shima (144) Shima&Ree (4) Sírius (1) Socialismo (63) Socialista (3) SP (1) Suécia (1) Taiwan (2) Taucetian (1) Taucetianos (1) Teia Crística (1) Telegram (1) Templos (1) TMD (1) Toyohashi (1) Toyokawa (1) Trabalhadores da Luz (7) Trabalho Escravo (1) Transição Planetária (93) Tribunal do Conselho Cármico (32) UK (1) Umbanda (1) Umbral (3) Universo (3) USAT (2) Venezuela (15) Vidas passadas (2) Visão Remota (7) Wesak (2) Xopatz (4)

Nosso Curso

LightBlog

Páginas